TEMA 1: Transmissão de Estabelecimento

Na sequência da Transmissão de Estabelecimento efetuada há quase 2 anos, o TENSIQ intentou 2 ações judiciais para defender os trabalhadores seus associados.

Dia 26/4/2019, uns, e 20/5/2019, os restantes, os trabalhadores associados do TENSIQ transmitidos para a TNORD e FIELDFORCE acordaram uma solução com estas, mais a MEO, sanando o conflito,

Sublinhamos que TODOS os trabalhadores dessa ação conseguiram uma solução, de acordo com a sua vontade.

De tudo o ocorrido, realçamos:

1. A unidade dos trabalhadores durante todo este tempo de ansiedade e incerteza quanto ao futuro profissional,

2. O interesse da MEO, TNORD e FIELDFORCE na procura duma solução conjunta (remédio para o que nunca devia ter acontecido).

3. Da Garcia Pereira e Associados, na pessoa da Dr.ª Joana Miranda, a excecional qualidade do apoio jurídico que o TENSIQ disponibilizou a todos os trabalhadores.

4. O ponto anterior assenta no reconhecimento dos trabalhadores envolvidos. Casos muito complicados. Pessoas a sofrer imenso. São estas situações que justificam, e a recompensa da atividade sindical.

Encerrou-se este capítulo com a TNORD.

O outro processo, da SUDTEL, está resolvido, pelos mesmos critérios, para 80% dos trabalhadores, tendo a assinatura ocorrido dia 29/5/2019.

O TENSIQ tem como prática a comunicação quando a substância justifica.

Apresenta resultados.

Não enveredamos em polémicas estéreis alimentando egos doentios. Temos um discurso. Não um com a Gestão e outro na Central Sindical ou Partido, que manipula a marionete concedendo-lhe uma importância fictícia. Acreditamos e confiamos na argúcia dos trabalhadores para distinguirem a razão, da bazófia de anos a fio. Ao profissional concedemos a vaidade da pretensa exclusiva representação na defesa dos trabalhadores. Falamos claro.

Para os associados do TENSIQ o problema da Transmissão de Estabelecimento está quase encerrado.

Não esquecemos no entanto, os poucos casos ainda não resolvidos e para os quais vamos continuar a procurar a melhor solução, mantendo todas as hipóteses em aberto, julgamento inclusive, mas nesta hora relembramos que este conflito, inimaginável até então, deixa marcas profundas, feridas muito difíceis de cicatrizar, com gravíssimas consequências, quiçá irreparáveis, a nível da confiança dos trabalhadores em quem dita o seu futuro profissional!

Encerrado o capítulo, obtida a solução, lamentamos o que se passou!

Sigamos em frente!

 

TEMA 2 : MEO-ST

A atualidade é marcada por nova situação preocupante para os trabalhadores.

Não apenas os da DOI...Todos!

Agora não são 155, são 1930! Para já!

A questão da MEO-ST merece toda a nossa atenção. O nosso silêncio significa apenas prudência, não desinteresse ou distração!

Para reflexão, avançamos alguns comentários e questões:

Há anos que se falava na DOI! Onde está a surpresa, quando ciclicamente, em inúmeras reuniões com as ERT, a Gestão comparava rácios da MEO com a concorrência? Rácios de mão-de-obra! A MEO tem/tinha 3 ou 4 vezes mais trabalhadores e a produtividade não era proporcional! A qualidade de serviço não interessava, o que importava era que tínhamos mais trabalhadores! Quem nunca ouviu a liderança da anterior Gestão, agora exilada na old Albion ou em retiro espiritual no Alentejo profundo, falar em milhares de “colaboradores” a mais? E o discurso do atual acionista coincidente nos números e razões? Quem nega isso? Há anos que a DOI era tema! No seio dos trabalhadores era conversa constante! Há alguma surpresa na tentativa de amputação da DOI da MEO?

Não haja ilusões: trata-se dum problema de Todos! Parará na DOI?

A questão da cedência ocasional, sendo interessante por princípio, reivindicada por todas as ERT como solução quando a Transmissão de Estabelecimento foi imposta de forma prepotente, parece-nos que chega tarde e a más horas! Com a dolorosa experiência anterior como vão os trabalhadores confiar numa solução em que arriscam a sua carreira profissional?

Vamos aguardar, dispostos a responder aos anseios dos trabalhadores com ações concretas.

Os trabalhadores têm a palavra! Cada um decide!

Estamos muito atentos. Tal como na transmissão de estabelecimento estaremos à altura dos acontecimentos. Defenderemos os trabalhadores como o fizemos sempre que se impôs.

O Tensiq tem um só compromisso: com os trabalhadores!

O FUTURO CONQUISTA-SE, NÃO SE ACEITA PASSIVAMENTE.

 
A Direcção do TENSIQ

Francisco Violante